(not provided) – Filtros SEO para Google Analytics

O (not provided) não é assunto novo, ele apareceu oficialmente no dia 18 de outubro de 2011.

A partir desse momento, os usuários pesquisando no motor de busca enquanto logados numa conta de qualquer produto do Google, passaram a ter seus termos de pesquisa no relatório de palavra-chave de pesquisa orgânica do Google Analytics como (not provided).

Pelo fato de estar usando criptografia SSL, as visitas chegando via a busca do Google, aparecem escondidas nesse relatório.

Porque o Google fez isso?

A razão oficial foi de proteger a privacidade dos usuários. Google pretende que quem está pesquisando no buscador estando logado não quer que seu termo de pesquisa possa ser recolhido pelo site de destino.

Mas para aqueles sites que usam Links Patrocinados, que o usuário estiver logado ou não não faz diferença, a palavra-chave irá aparecer no relatório do Google Analytics. Esses dados não deveriam ser escondidos também então? Isso não seria uma forma de incentivar o uso do Adwords e de aumentar a receita publicitária do grupo? Como declarou o Danny Sullivan (Search Engine Land), Google colocou um preço na “privacidade”.

Existe um site que fica monitorando a porcentagem média de (not provided) dentro do relatório palavra-chave do Google Analytics. Isso se baseando em 60 sites de vários mercados diferentes.

Segundo suas previsões, hoje a média está chegando perto do 40%. E se o crescimento continuar na mesma velocidade de hoje, o (not provided) deveria completar 100% no final de 2016.

Para mais informações sobre o tema, vistem: http://www.notprovidedcount.com

Filtro “Página de Entrada” no lugar da palavra-chave (not provided)

Esse filtro avançado ajude a contornar o (not provided) na compreensão e no tratamento dos resultados.

Mas antes de aplicá-lo, não esquecem de criar um perfil novo, para não sujar sua conta principal. Em seguida, criem um filtro avançado preenchendo as informações contidas na imagem abaixo.

Cliquem na imagem para ampliar.

Filtro Página de Entrada para not provided

Uma vez isto feito, é só esperar para o relatório começar a se povoar de “np – /url-da-pagina-de-entrada/” no lugar da palavra-chave.

Filtro de mapeamento de origem e posicionamento na busca universal

Tudo sobre o filtro do Timothy Resnik na apresentação slideshare dele. “Reclaiming your Google Referral Data

Esse filtro permite saber em quais tipos de resultados de busca universal o usuário clicou (resultado de busca orgânica, snippet do Google News, do Google Imagens, do Google Vídeo, Sitelinks, Knowledge Graph) e as posições em quais clicou. Não esquecem de criar um perfil antes de aplicar este filtro.

Uma vez feito isso, você precisa criar dois filtros avançados:

Um primeiro de extração…

Filtro SEO no Google Analytics E um segundo, de exibição…

Filtro SEO Google Analytics

 Colocar os dois na ordem correta…

Ordem Filtros SEO Google AnalyticsOs resultados da dimensão origem irão se povoar de resultados do tipo “(0CCwQFjAA-1) google

O Timothy analisou as urls de resultados de busca do Google e extraiu o que determina a referência (ved=) e posição (cd=) de cada tipo de resultado universal;

Conforme nessa url: http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=aotopo&source=web&cd=1&cad=rja&ved=0CC0QFjAA&url=http%3A%2F%2Fblog.aotopo.com.br%2F&ei=h57QUZf1BI7K0gGTyoDQCg&usg=AFQjCNHgcrZpphYTTmh7PE643lV5sANgsA&bvm=bv.48572450,d.dmQ

Sendo cd=1, a posição onde o usuário clicou e ved=0CC0QFjAA:

  • 0CC0 = ?
  • QFj = Busca Vertical (Universal)
  • AA = Posição absoluta e relativa

Tipos de resultados e cliques na busca vertical (universal):

  • QFj = Busca Orgânica
  • QqQlw = Google News
  • Qpwl = Imagem do Google News
  • Q9QEw = Imagem do Google Imagens
  • Qtwlw = Vídeo do Google Vídeo
  • QuAlw = Imagem do Vídeo do Google Vídeo
  • QjB = Sitelinks orgânicos
  • BEPwd = Primeira imagem do Knowledge Graph, com número no lugar do “w”, por exemplo BEP3d, ele informa a posição da imagem clicada

E para ajudar na análise em seguida, não hesite em criar segmentos avançados com cada um dos códigos acima (conforme o modelo abaixo);

Segmento Avançados SEO Google Analytics

Esses dois paliativos ajudem na compreensão do (not provided).

Saber da página de entrada e do posicionamento quando foi clicado, permite em seguida determinar com uma boa probabilidade qual foi a palavra-chave empregada pelo usuário, se isso for preciso.

É claro que para recolher palavras-chave para seus estudos, você pode simplesmente recolher as palavras do negócio, usar as palavras ainda disponíveis no relatório do Google Analytics, ou das consultas dentro de “Otimização de mecanismos de pesquisa”, as consultas de pesquisas e palavras-chave de conteúdo do Webmaster Tools ou ainda a ferramenta de palavras-chave do Adwords.

Me adicione ao Google+ e siga-me no Twitter @EricApesteguy