SEO para redação de notícias – Monografia

SEO para redaçãoA Andressa me procurou a primeira vez em maio de 2013 para ajudá-la na redação da sua monografia sobre SEO em redações online.

Como existia pouca literatura na área, ela precisou coletar algumas informações diretamente com os profissionais e me perguntou se podia colaborar. Foi com muito prazer que aceitei, pois adoro quando pessoas saem do básico, e estudam ou fazem as coisas com paixão.

O foco dela foi sobre a importância dos profissionais de comunicação de hoje dominarem as técnicas básicas de SEO para conteúdo. Depois de um primeiro contato, ela me entrevistou em outubro do mesmo ano para coletar informações sobre o tema.

Veja uma trecho da nossa conversa para mostrar o quanto ela trabalha de forma profissional e organizada; “Como havíamos combinado, gostaria que respondesse algumas perguntas pontuais sobre SEO e Jornalismo. Fiz uma seleção minuciosa de poucos profissionais, por isso sua resposta é muito importante para a finalização do meu Trabalho de Conclusão. Quanto mais elaboradas/explicativas forem suas respostas, melhor. E depois de finalizado, enviarei aos entrevistados meu estudo final, com os devidos créditos para cada citação.”

Os profissionais entrevistados foram: Eric Apesteguy de Sousa (Infoglobo), Francine Facchini (Grupo RBS), Fernando Braga (Correio Braziliense) e Klaus Junginger (Grupo Estado).

O trabalho de conclusão de curso dela sobre SEO para redação de notícias ficou bem legal;

Seguem alguns trechos onde apareço sob a forma de referência a artigos meus: 

  • Também é possível verificar qual é o potencial de busca das palavras-chave escolhidas, através de uma ferramenta do Google, a Keyword Tools. Apesteguy (2013) explana que, após escolher as palavras-chave, pode-se verificar o número de resultados retornados pelo mecanismo de pesquisa, para se ter uma noção do grau de dificuldade que se terá para que a página fique bem posicionada nos resultados de busca.
  • Apesteguy (2013) afirma que as principais vantagens em aplicar técnicas de SEO nas redações de sites de notícia são: trazer mais leitores em curto prazo; tornar-se referência na Web sobre um determinado assunto; e aumentar o número de comentários, curtidas, compartilhamentos e links apontando para sua matéria. O que ajudará a firmar sua posição nos resultados de busca.

E de respostas minhas na entrevista: 

  • Primeiramente, perguntou-se aos entrevistados se, em sua opinião, os sites de grupos de comunicação estariam atentos às possibilidades do SEO. Eric Apesteguy de Sousa afirmou que “o SEO é conhecido pelos grupos de imprensa tradicional, porém de forma geral ele não é muito empregado em termos de otimização de conteúdo”. Ele aponta ainda que “do ponto de vista técnico, os sites são bem otimizados. Com a nova atualização beija-flor do Google, e o voice search (pesquisa por voz), as novas oportunidades técnicas estão cada vez mais na web semântica”.
  • Quanto à formação do profissional responsável pela aplicação do SEO, Sousa respondeu que “existem cursos de SEO, vários e bons, curtos e mais longos, gratuitos e pagos. E toda a informação está na web. Acho que a melhor formação é gostar de escrever e abraçar as novas mídias”.
  • Os entrevistados foram questionados também sobre em que parte do processo de redação das notícias o profissional de SEO atua. Sousa afirma que esse profissional tem a missão de “evangelizar as redações a organizar e otimizar o conteúdo para os motores e busca, no intuito de aumentar a visibilidade e consequentemente a audiência. Isso se faz estudando o CMS (Content Management Systems) de publicação, criando apresentações, metodologia, artigos, trazendo dados e compartilhando todas estas informações com os jornalistas”.
  • Questionados se o conhecimento de SEO configuraria já um pré-requisito para os jornalistas que desejam atuar em redações online, Sousa respondeu: “Não acho que SEO seja um pré-requisito para escrever em redações online. Agora, se você pretende trazer sua audiência via Google, se torna primordial estudá-lo. No caso particular da otimização de conteúdo, acho que o redator online deve entender e se adaptar ao suporte que ele irá usar. Primeiro o seu próprio site, e depois os motores de busca, redes sociais, portais e outros formatos”.
  • Os principais pontos em relação a SEO que devem ser observados pelo jornalistas no momento de redigir e publicar notícias online, segundo Eric Apesteguy, são “ter um título claro e conciso com palavras-chave, um subtítulo criativo, links interessantes, fotos otimizadas, ter um texto de no mínimo 500 palavras e um conteúdo relevante, evitando conteúdo duplicado”.
  • Questionado sobre se os jornalistas das redações online passam por uma capacitação sobre as técnicas básicas de SEO, Sousa afirmou que na Infoglobo “existem alguns incentivos, mas não é obrigatório”. Segundo a percepção do entrevistado, os jornalistas que possuem blogs, geralmente, estão mais atentos às questões de webwriting, link building e otimização de texto. “O nível de conhecimento geral em SEO dos jornalistas depende também se o veículo em que atuam é pure player da internet ou não”, acrescenta ainda.
  • Quanto à influência do SEO na escolha das pautas das redações online, Sousa atestou que “hoje em dia, alguns veículos usam os dados muito bem nesse sentido. Contudo, no mercado brasileiro, as pautas são ainda baseadas muito mais na decisão editorial”.
  • A pergunta final feita aos entrevistados foi em relação às mudanças no volume de acesso dos sites em que eles atuam em função da observação das técnicas de SEO. Sousa atestou que “Tanto no curto, como no longo prazo, ter um site bem otimizado e de grande autoridade e escrever integrando a lógica do SEO, permite chegar na primeira página de resultados das buscas rapidamente. Às vezes durante o pico de pesquisa sobre o tema, ou de forma recorrente, podendo se estender a vários anos, quando a matéria se mantém na primeira página”.

E para mais informações sobre o trabalho dela, veja abaixo o TCC completo:

E o documento em formato PDFTCC Andressa Warken 2013

Histórias para pensar…

Me adicione ao Google+ e siga-me no Twitter @EricApesteguy