O conceito de palavra-chave em SEO na redação de notícias

Nos cinco anos em que ando por redações de notícias incentivando a reportagem e os editores a formatarem seus conteúdos com uma estratégia para ranquear em motores de busca e a aplicarem a otimização de textos, de imagens e outras formas com foco em SEO, percebi uma coisa: jornalistas não gostam de repetir palavras-chave.

Quer saber? estão cobertos de razão. Nada mais incômodo, do que ter de usar um mesmo termo em vários lugares da página. Pessoalmente, não gostaria, também.

Em e-commerce e varejo digital em geral, seja de serviços ou de produtos a palavra-chave é de fato algo pouco flexível. Quem quer comprar uma geladeira, por exemplo, vai realizar buscas mais sintéticas, marca+modelo, marca+preço, por exemplo. Realmente, não há muito para onde fugir nesta hora. É necessário atender a voz do consumidor e aplicar um repertório limitado de palavras.

O significado de palavra-chave muda quando falamos em textos de notícias.

E como descobrir qual é a palavra-chave?

Lembre-se, falamos de redações de notícias. Muito do que é reportado é inédito, não tem, ainda, palavras-chave em nenhuma base de dados ou ferramenta online para consultar.

Nos treinamentos de SEO para jornalistas que realizo, enfatizo constantemente que a palavra-chave objetivada é a pergunta que seu texto responde.

Uma matéria que informa a queda de um avião da Zecaairlines tem liberdade enorme para usar um vocabulário que deve orbitar em torno da resposta à pergunta “o que aconteceu com o avião da Zecaairlines”.

Vamos continuar com o exemplo da queda do equipamento e ampliar a quantidade de termos relacionados à trágica notícia.

Avião

Podemos relacionar comandante, trem de pouso, passageiros, asa, turbina, Boeing, Airbus, o nome da cia aérea – todas essas palavras remetem imediatamente ao objeto avião.

Queda

Altitude, metros, velocidade, local, choque, explosão; mais uma punhado de termos pertencentes ao mesmo campo semântico.

Campo semântico?

Sim, campo semântico. É crítico dar corpo ao conteúdo sem fazer stuffing ou repetir a palavra-chave de forma exacerbada. É necessário formar parágrafos e frases que sejam densos em sentido, não em presença de keyword. 

Neste sentido, o Hummingbird, um incremento na capacidade do Google em compreender um texto é uma das maiores dádivas para a comunidade de redatores com alergia à redação otimizada da primeira década de 2000. O Hummingbird é um recurso auxiliar do Google, ele não pune ninguém, mas serve para separar conteúdo ralos – aqueles que achávamos serem apenas ralos por ter pouca quantidade de texto- dos conteúdos mais robustos, com sentido.

Nesse sentido, o desafio de aplicar o SEO na redação de notícias migra de um entendimento semi-tecnológico que era empurrada goela abaixo da comunidade de jornalistas, para um misto de entendimento de como manter um visitante mais tempo no site, o que pode ser alcançado com linkagem interna consistente, acrecido de um conteúdo com significado denso.

Denso… densidade de palavra-chave?

Não. Densidade no sentido de hermético. Um mesmo texto não deve tratar de mais de um assunto, uma home temática (sobre uma equipe de futebol, por exemplo) pode, mas um texto apenas, não. Começar a compor um conteúdo que trate na primeira metade de métodos para emagrecer e fechar o artigo com três parágrafos falando de juros bancários não é uma boa ideia. Apesar de parecer extremo, há uma miríade de textos na web em que o título mistura várias entidades diferentes, o mesmo fenômeno é repetido ao longo do texto.

O problema que este tipo de conteúdo gera é a dificuldade do buscador em classificar do que trata determinada notícia/texto. Gosto de pensar em termos de orçamento para cada conteúdo. Se eu dedicar 90% do orçamento semântico a um assunto, as chances do texto ser compreendido como algo relevante para uma determinada busca (ou pergunta). na mesma levada, se eu dedicar 90% do texto a uma palavra apenas, além de chato, o texto pode levar um tombo por ‘otimização’ excessiva.

Acho o Google Trends importantíssimo; o Google Suggest Monitor, também. Acho as buscas relacionadas um recurso esplêndido e todos envolvidos em redação de notícias devem dominar a interpretação desses recursos, mas o cerne da questão não está em ‘qual é a palavra-chave’ mas em o que você vai fazer com ela.

Vivemos a melhor época possível para redatores que tenham necessidade de impulsionar a visibilidade de seus textos na web. Com o término da inquisição da palavra-chave exata em tudo quanto é canto surge a indulgência de um algoritmo compreensivo; amigo do bom redator.

Valeu!!

SEO specialist
  • Marcelo Gorzoni

    Ola Klaus, gosto do texto e conceitualmente ele é perfeito, mas no meu dia a dia no Terra isso não se aplica, como temos uma avalanche de noticia principalmente em hard news, os termos exatos para mim funcionam e são bem importantes em contudo hard news.

  • Cajucy Cajuman

    Valeu e muito! Parabéns pelo texto esclarecedor.

  • http://emersonlopes.com.br/ Emerson Lopes

    O melhor texto que já li a respeito do assunto. Há tempos estudo SEO e as pessoas ainda continuam fazendo stuffing na maioria dos textos.
    Parabéns pela clareza do texto!

    • http://webwriter.com.br/sobre-klaus-junginger-computerklaus/ Klaus Junginger

      Oi, Emerson

      muito obrigado pelo comentário! SEO não pode roubar o prazer em escrever e a cada dia agradeço pelos updates que confirmam a regra: pense no leitor!

      Um abraço

      ComputerKlaus